Crônica

    A tensão mundial aumenta a cada dia, com sérias possibilidades de avassaladoras guerras. O terrorismo não abaixo o facho, continua com terrível presença em toda parte e em parte nenhuma. A corrupção e o banditismo campeiam cada vez com m ais desenvoltura. Nosso mundo está apavorante! No Brasil, reformas estão se fazendo, o país vai-se recuperando, no futebol voltou ao topo da tabela da FIFA. A delação premiada de vários delatores de uma forte empreiteira foi um verdadeiro furacão no mundo político, esses políticos tentam se defender criando leis para salvá-los. É incrível como ninguém assume seus malfeitos. Reformas contestadas, mas necessárias, estão falando até no fim do fórum privilegiado.



     Poema

    Humanos

razão
consciência
lei
instituições
ordem
moral
parecer
exterioridade
luz
APOLO

instinto
inconsciência
desejo
pulsões
prazer
ser
interioridade
trevas
DIONISO

vida
luta Apolo Dioniso
em nós
por mais que se procure Apolo
Dioniso vence tantas vezes tantas vezes

mundo atual
obscuridades mil
barbaridades sem limites
descaminhos
império apolíneo balançando

toda essa crise
sinal
de fim
ou
indício
nova era nova civilização


    Crítica Literária
   
    A crônica relaciona-se com vários outros saberes, por exemplo, entre a reportagem de um fato e tópicos de criação literária, como colocar certa fantasia no acontecimento trivial do dia-a-dia. Algumas crônicas literárias aproximam-se do conto; outras, como as de Carlos Drummond de Andrade, emitem uma aura poética.
As crônicas de Drummond foram publicadas no Caderno B do Jornal do Brasil, convivem, como as crônicas em geral, com a existência fugaz desse meio, por isso são repletas de novidade, surpresa, devaneio, variedade, tudo com toques do instantâneo. Uma das maneiras de fugir da fugacidade do jornal e do envelhecimento é a publicação das crônicas em livro. Drummond fez isso no livro De Notícias e Não Notícias Faz-se A Crônica. A primeira edição foi lançada pela José Olympio Editora em 1974. Houve várias reedições dessa obra. A que estamos usando, em tudo igual a primeira, é da Companhia de Letras, de 2013. O romance, o conto e a poesia marcam-se pela verossimilhança; a crônica pela veracidade, ela nutre-se do acontecimento cotidiano filtrado pelo eu do cronista, por isso as crônicas de Drummond se fazem com os fatos do dia-a-dia lapidados poeticamente por esse grande poeta. Qualquer tema serve de assunto para ele, política, economia, sociologia, futebol, trânsito, viagens, amizade, tragédias, comédias, tudo isso perpassado por muito humor, pessimismo misturado com otimismo, enfim, pulsação vital plena.