Crônica


    Enfrentamentos entre poderes: legislativo e judiciário, tudo terminará bem? A democracia brasileira, sem dúvida, é muito forte. Uma onda de reformas abala o país, muitas dolorosas, mas necessárias. O time da Chapecoense torna-se símbolo mundial. O mundo todo tem sofrido impactos em vários setores, sobretudo na política e na moral. Há uma perigosa aproximação da extrema direita. O presidente Michel Temer tem conseguido coisas inimagináveis até pouco tempo atrás, em conquistas no congresso nacional, mesmo assim seus índices de popularidade estão beixíssimos, ele tem tocado no bolso e em bvenefícios do povo, será por isso? O recesso parlamentar e judiciário abafou momentaneamente fortes controvérsias, vamos ver o que vai dar no retorno em fevereiro. E as reformas sociais e econômicas propostas pelo governo? Darão efeito? O terrorismo continua abalando o mundo. A maior delação premiada do mundo está abalando o mundo,


Poema

embates

de alguns conhecemos os motivos
outros surpreendem-nos porque?! como?!
sejam quais forem jamais podem soterrar-nos

surgem em vários momentos da vida
com intensidade e valores diversos
ou machucam ou arranham ou espetam

como no boxe
é preciso saber desviar
ter encaixe para suportá-los
retribuir com porretadas certeiras
nocauteá-los

não mais
se deixar surpreender
com
cachorrices canalhices mistificações banditismos
etc etc e tais

conseguir
tirar proveito de tudo isso
podem beneficiar-nos muito

jamais deixar
de dar o troco
pra valer
com serenidade
na hora certa

sempre
viver feliz
cantando
“Nossa Senhora
“me dê a mão
“cuida do meu coração
“da minha vida
“do meu destino
“Nossa Senhora
“cuida de mim”



Crítica Literária


JUÇARA VALVERDE
    O livro Delírios, de JuçaraValverde, é uma sinfonia poética, enfocando sensualidade, sexualidade, sentimentos, emoções sob a batuta poética de Juçara Valverde, onde o som de instrumentos poéticos variados ressoam um eu interiorizado em si mesmo, mas também sintonizado com o amor pulsando com outras pessoas e com a vida circundante. Tudo isso carne, sangue, materialidade embalados pela paixão liberta de amarras preconceituosas e centrada no embalo do prazer, do gozo e da beleza da liberdade plena.
Sob todas as luzes ou aparecendo sorrateiramente o impactante trinado de um violino poético, que penetra e agita o mais fundo do coração, ressalta milhares de facetas sensuais e sexuais da BOCA. Essa obra é um hino à boca em suas presentificações sem fim de volúpia.


ELISA FLORES
    O livro, Na Roca do Tempo, de Elisa Flores, é surpreendente sobre vários aspectos. O que mais me impactou é a capacidade da autora de evocar, como se estivesse acontecendo tudo de novo nesse momento da leitura, fatos de toda sua vida – infância, juventude, idade adulta, também como vovó – fazendo ressonar em cada um de nós acontecimentos idênticos ou semelhantes aos que ela vivenciou. É também magnífica a maneira com que Elisa Flores relata, naturalmente, fenômenos supra-reais que a envolveram, da mesma forma reavivando em nossa alma experiências conosco próprios ou com pessoas de nossa convivência.
Elisa Flores mostra, nesse novo livro, que é não apenas uma grande poeta, mas também uma colossal prosadora. Ela manipula e nos manipula muito bem em sua “prosa” em todos os sentidos.


RENOVARTE
    Mais uma magnífica revista RENOVARTE, a número VII, da UBE/RJ, acaba de sair, repleta de literariedade, embalada pela cientificidade e pela beleza.
Esse último tópico já se destaca na exuberante capa, que é uma das características marcantes dessa revista, com o toque genial de criações pictóricas do saudoso Israel Pedrosa; mais ainda, contribui para esse efeito visual, a caprichosíssima montagem gráfica, estampada em um papel de primeira qualidade. Essa visibilidade está em consonância com o mundo da imagem e da comunicação dos tempos atuais.
Toda essa artisticidade serve de suporte para a veiculação de valoroso conteúdo literário, em entrevista e críticas, que contribuem em muitos pontos para o mais abrangente conhecimento do que constitui a análise literária. Contos, crônicas, poemas, resenhas, tudo de alta qualidade, fazem com que a arte literária pulse com todo o vigor em gêneros tão variados.
Um toque humanitário, que também é constitutivo da UBE/RJ, é calibradamente apresentado em fotografias, que ilustram essa publicação.
Houve muitas pessoas e fatos que contribuíram para que a RENOVARTE VII fosse esse primor de revista que temos em mãos; mas, não resta dúvida, que, orquestrando tudo isso, está a dedicação plena do coordenador da revista Edir Meirelles, que torna a revista RENOVARTE a mais pujante, que conheço, entre os pares de sua espécie.


EDIR MEIRELLES
    O livro, Palavra que lavra, de Edir Meirelles, é um precioso colar literário, incrustrado de preciosas pérolas poéticas, em aldravias, cada uma mais tocante que a outra, tanto pela forma perfeita, como pelo conteúdo, repleto de lirismo, onde, sobretudo o amor, é desvelado em variadas  manifestações.
Pinturas de Miguel Elias, “professor e artista plástico de Salamanca, Espanha”, de deslumbrante rusticidade com fortes impactos líricos, estão na capa e no interior desse livro, num conluio magnífico com os poemas de Edir Meirelles, ambos ajudando-se mutuamente para o maior fulgor dessas duas artes em sua conjunção.
Toda a obra, em todas as suas expressões, está expressa em português e romeno, em tradução de Carmen Bulzan. É o primeiro contato que eu tive com essa língua, nossa irmã nas línguas românicas; deveríamos relacionar-nos muito mais, parabéns a Edir Meirelles por nos dar essa oportunidade.
Palavra que Lavra, ressalta ainda, entre vários tópicos importantes, que é possível fazer literatura do mais alto gabarito, usando aldravias, essa magnífica criação literária tipicamente brasileira, mineira, de Mariana, que em sua aparente pequenez, esconde infinitas possibilidades de expressão poética.
Essa é mais uma obra de Edir Meirelles, que ressoa dentro do tempo atual, marcada pela visibilidade e pela pulsação artística de abrangente comunicação.